Existem relatos que antes de 2500 a.c  já existiam Ninjas e suas técnicas já eram utilizadas em diversas guerras. Até o século XV não existia a palavra Shinobi e por conta disso, existem poucos registros escritos sobre os Ninjas.

No livro de Sun Tzu – A arte da Guerra, podemos identificar diversos relatos que podem ser comparados aos Ninjas.

No entanto, pelo fato dos Ninjas terem criado muitas técnicas extremamente eficazes de camuflagem, espionagem e homicídios de forma discreta e silenciosa, muitos deles eram contratados pelos Daimyo (senhores feudais) para matar ou espionar os seus inimigos. A identidade de um ninja nunca era revelada, caso isso acontecesse, ele era aconselhado a realizar um ritual chamado Harakiri para se matar, pois, seria caçado até a morte.

Ainda hoje, os ninjas se colocam no anonimato sempre procurando preservar a sua imagem e nunca se expor demais. Não existe no conceito do praticante que segue o verdadeiro código do Ninpo coisas do tipo: andar fantasiado totalmente de ninja com uma espada e capuz em vias públicas, perambulando e fazendo uma propaganda de um ser exótico e que apenas quer ser notado a qualquer custo mesmo que esse ato o exponha à visão mais constrangedora da cidade. Afinal de contas, um ninja não é um maluco…

As escolas possuem diferentes preferências e peculiaridades em relação aos estudos de técnicas e artes, por isso, cada uma se especializa mais em uma arte do que em outra.

O Takegawa Ryu enfatiza o estudo Tradicional do Ninjutsu com refinamento Espiritual, Filosófico, da Personalidade e do Caráter, para em seguida o desenvolvimento das técnicas de acordo com o grau e merecimento de cada praticante.

O Ninjutsu prega em sua filosofia a realidade, a igualdade de todos perante as leis do universo e da vida, e ensina o poder e a força que cada um tem dentro de si.

É essencial que as pessoas, que buscam o verdadeiro caminho do Ninpo, entendam que ninguém pratica Ninjutsu para viver brigando por motivos fúteis, ou mesmo se sentir afetado por palavras ofensivas e de baixo calão. É determinante que o praticante seja superior, e não havendo alternativa que não seja usar seu conhecimento em ultimo caso, somente nesta situação, é que colocamos em prática a nossa energia suprema no domínio das técnicas aplicadas e fazemos a diferença.

Vale salientar que os interessados em adquirir conhecimentos do Takegawa Ryu Ninjutsu deverão estar preparados para se moldarem conforme as regras de conduta deste Clã.

O Takegawa Ryu não cria somente grandes lutadores, mas sim, grandes guerreiros que buscam sempre tornar o mundo um lugar melhor para se viver.

Takegawa Ryu Ninjutsu possui as seguintes técnicas:

Kobadera (a arte da invisibilidade, truques mágicos e ilusionismo);

Kaiakojutsu (cortina de fumaça);

Tenchi Myo (trabalho psico-energético),

Relaxamento e condicionamento físico e mental;

Autocontrole, hipnose, meditação direcionada ao condicionamento dos órgãos internos para proporcionar ao praticante uma vida longa e saudável;

Desenvolvimento dos seis sentidos (o sexto sentido é o caminho da percepção mental, a intuição), integração do corpo e mente para desenvolver o crescimento do homem, estudo de uma alimentação saudável, do-in (acu-pressão, digito-pressão);

Zen-Shiatsu, luta desarmada e armada (envolvendo o manejo da espada, bastão, lança, zarabatana, armas com corrente entre outras;

Uso de objetos convencionais que podem ser utilizados como arma (como exemplo a caneta, cadarço, cinto, garrafa, cigarro, banco, celular, cartão de crédito, qualquer objeto usado no cotidiano);

Fisiologia – estudo minucioso dos pontos vitais que podem levar o adversário a dores insuportáveis;

Primeiros socorros;

Técnicas especiais de fuga;

Treinamento de flexibilidade das juntas (o que facilita fugas de amarras);

Técnica com corda “sageu”, técnicas de amarra;

Arte da espionagem;

Métodos de caminhar silenciosamente;

Escalada de obstáculos; Alpinismo; Rapel;

Técnicas de sobrevivência e luta dentro d’água;

Treinamento de sobrevivência na mata (Gotonp);

Táticas de combate noturno (via urbana e florestas);

Táticas de lutas urbanas (Gotai),

A arte dos disfarces (que envolvia também técnicas de dramatização, o que possibilitava o ninja se passar por outras pessoas), armadilha, conhecimentos básicos de direito civil e penal (é de extrema importância que todos os praticantes de Ninjutsu tenham conhecimentos da nossa Constituição Brasileira, direitos e deveres).

Cumpra seus deveres para depois poder reclamar seus direitos.